Rio de Janeiro. Sustentabilidade nos Jogos Olimpicos


Sexta passada, dia 02 de Outubro estava no Rio de Janeiro para um fim de semana e tive a oportunidade de participar da comemoração da cidade pelo titulo de sede das Olimpiadas de 2016. A animação era geral, bandinhas de carnaval nas ruas, festa em copacabana e uma sensação de orgulho no ar. Porem algumas pessoas com quem conversei tinham duvidas sobre os reais beneficios dessa empreitada, principalmente devido as promessas não cumpridas dos Jogos Panamericanos.
Mas segundo a reportagem de domingo do O Globo, os beneficios serão muitos, principalmente na questao da sustentabilidade.
O Rio de Janeiro quer chegar aos jogos Olímpicos de 2016 como uma Cidade Verde.O Comitê Olímpico Internacional promete o plantio de 24 milhões de arvores ate o evento, sendo que todas as instalações, de alguma forma, neutralizarao as emissões de carbono geradas durante a competição. Para alcançar essa meta, estão previstas medidas como uma nova regulamentação para formas de compensação de impacto ambiental e a ampliação do projeto de reflorestamento, com investimentos públicos e privados.
Uma das propostas já se encontra em fase de regulamentação pela secretaria e deve ser implantada ate o fim do ano. O licenciamento de novas construção no Rio com área superior a 180 metros quadrados, só será autorizado se o responsável propuser medidas para neutralizar as emissões de CO2 pelos projetos.
O objetivo e fazer o construtor propor alternativas sustentáveis e prever construções com sistemas passivos como reaproveitamento de água de chuva e energia solar. Ou então compensar suas emissões plantando árvores nas áreas indicadas pela prefeitura.

Algumas Promessas ambientais

Baia e lagoas. Esta no caderno de encargos da Rio 216 a recuperação da Baia de Guanabara.O desafio e grande, já que outras tentativas, como o bilionário programa de despoluição iniciado em 1995, fracassaram. Outra promessa e a da recuperação das lagoas da Baixada de Jacarepaguá. Para isso, estão previstas novas unidades de tratamento de esgoto, a extensão da rede coletora e a implantação de programas de educação ambiental.

Desmatamento. A cidade se compromete a criar uma política de tolerância zero ao desmatamento da Mata atlântica, para acelerar e recuperar o entorno dos parques da tijuca e da Pedra Branca. A medida será estendida ainda ao manguezais das lagoas da Barra.

Lixões e Lixo. O compromisso e eliminar todos os lixões da cidade. Alem da promessa de criar novas estratégias para a reciclagem do lixo, a prefeitura pretende tratar e reaproveitar 100% do lixo solido gerado durante os preparativos e a operação dos jogos. O entulho de novas construções deve ser enviado para usinas de reciclagem.

Reuso da Água. A organização dos jogos implantara mecanismos para reaproveitar a água da chuva e um sistema de economia de energia elétrica com painéis solares nas instalações esportivas e nas vilas a serem construídas.

Solo. As novas construções deverão ser precedidas de estudos de contaminação do solo.

Sustentabilidade. Os Jogos de 2016 terão a Divisão Olímpica de sustentabilidade, para gerenciar todos os projetos ambientais e de sustentabilidade.

Transporte. Para o corredor T-5(sistema de ônibus articulados entre a Barra da tijuca e a Penha), estuda-se a adoção de veículos que usem algum tipo de biocombustivel. O impacto visual será minimizado com barreiras verdes.

Pavilhão. A organização construirã um pavilhão de mudanças climáticas no Parque Olímpico, com um espaço cientifico para conscientizar o publico da importância do tema.

Deixe uma mensagem